A Vitória de Vagar

21 05 2006

Eu tinha um texto em mente, mas mudei subitamente para um novo conteúdo. A mudança se baseia na mente humana, especialmente a minha. Como a frase “o povo tem memória curta” costuma ser freqüentemente repetida decidi me sentir advertido e relatar aqui meus sentimentos e memórias antes que eles pudessem migrar para a parte inativa do meu cérebro. Sinceramente não sei se possuo um grande arquivo mental, mas se o possuo, uso pouco, e para não me tornar dependente a esse ponto termino aqui nessas letras.

Sentimentos sem dúvida são os guias da grande maioria textos que escrevo. Independente do assunto faço nada mais que uma terapia pessoal exposta em termos criptografados, para quem não está ciente da situação abordada. Por incrível que pareça, isso funciona e torna a alma muito mais leve, porque tudo que podia parecer atordoar fica no papel misturado à tinta e a caligrafia. Despejar sentimentos negativos com palavras é uma solução para se livrar deles, mas e sentimentos bons? Quando estamos felizes, como fazemos para que aquele sentimento leve e gerador de sorrisos permaneça conosco?

Por esse motivo estou aqui digitando. Mais uma vez sem propor verdade última alguma, mas apenas vagando através de uma postura zetética indutiva. Minha intenção é debater sobre o incerto e através da escrita tentar, mesmo que não seja a solução definitiva, e estocar minha felicidade em termos e frases. Pensar em guardar para um dia em que eu possa revisitar a sensação, já significa me dou conta de que ela irá se esvair independentemente. A memória do povo é curta e a minha também, mas as palavras permanecem.

Espero, portanto que meu intento seja consolidado, sinceramente espero poder re-sentir uma risada de bom grado. Pergunto então como chegamos ao ponto de perder a “felicidade”, já que estou me preocupando em guardá-la. Tomo atitudes e corro contra o tempo como se sorrisos já nascem com prazo de validade. O motivo para o término me é incerto e apesar de eu poder formular teorias esse não seria o objetivo. Por hora apenas me indago o fundamento e a finalidade dessa minha escrita. É raro relatar um momento feliz, mas se é, porquê? Porque não costumo e porque tomei essa atitude?

Um labirinto confuso e um tanto prolixo que me deixa apenas mais questionador e sem respostas. Sei que as minhas perguntas podem nunca achar uma resposta, mas pretendo chegar ao minotauro antes que ele chegue a mim. Resta-me apenas indagar as questões e procurar fervorosamente pela resposta, mas não deixar de sentir a leveza de um sorriso espontâneo ou a dor de uma risada na barriga. Busco principalmente relatar o calor de uma nota musical sublime que me faz sentir bem. Que me faz sentir como se tivesse acabado de descobrir o sentido da vida e como se nunca mais fosse me preocupar com qualquer rumo que tivesse que adotar. Uma sensação de confirmação que estamos no caminho certo e satisfação como um sentimento que transmite o desejo de se perpetuar por toda a eternidade. Como se não houvesse violência, como não houvesse crises pessoais, profissionais e familiares. Como se essa cidade realmente fosse maravilhosa. Como se não vivêssemos em uma realidade desigual. Me sinto feliz.

Uma imagem codificada que revela de maneira figurada a simples carreira de uma mente gladiadora presa em um labirinto da arena. Uma mente indagadora sedenta por respostas. Uma mente que almeja ser feliz e finca no solo uma bandeira ostentando a sua vitória, sabendo que mesmo que ela não volte a ser, um dia já foi. Vago felizmente porque felizmente vago. Sei que esse não é o fim.


Actions

Information

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s




%d bloggers like this: