Ghouls Não Choram

11 02 2011

O conto que segue adiante foi elaborado para a “Promoção Conto Pós Apocalíptico” do blog Girls of War. Foi uma divertida oportunidade para escrever uma “fanfic” em até 4 mil caracteres (basicamente 1 página de word) sobre o universo da série Fallout. Contudo, por esse mesmo motivo, vale destacar que alguns termos podem ser desconhecidos àqueles que nunca jogaram ou não conhecem o universo da série, especialmente o cenário retratado no jogo Fallout 3. Os termos não traduzidos estão em negrito. Divirtam-se!

Desde a minha infância exibi potencial para desbravar as terras ermas. O fato de continuamente me esconder, de me mover velozmente e não fazer barulho são características que me acompanham desde que eu me entendo por gente. Quer dizer, eu e minha vila. Não foi nenhum espanto, portanto, quando me designaram como batedor. Há anos exerço essa função, e há anos corro o risco de morrer ao vasculhar o que restou das terras de meus antepassados por comida, ferramentas, armas e qualquer coisa que possa ser útil para a sobrevivência do meu povo.

Contudo, nem só de sobras vive o homem. Parte essencial da nossa motivação, conhecimento e entretenimento vem dos livros que arrumamos em nossas viagens. É inegável o fato de que aprendemos muito com essas compilações de papel marrom e tinta quase apagada. As histórias de como nossos antecendentes viviam em um mundo completamente diferente – sem água radioativa e garras-da-morte – sempre me intrigou. Não eram apenas momentos de escapismo, mas também de esperança, por serem obras que nos informavam de um mundo que os avós dos nossos pais conheceram, onde plantas eram capazes de crescer em variadas cores e a poeira não se infiltrava por qualquer fresta.

No entanto, ao passo que, em mim, os livros causavam a vontade de não arriscar minha vida passeando fora da vila, nos jovens os elaborados e fantásticos contos os deixavam apenas mais afoitos para se aventurar. Nossa biblioteca era reduzida, e as mesmas histórias, lidas repetidas vezes, continuamente inflamavam os espíritos de nossos filhos. Por isso, quando ouvi falar da existência de um suposto “livreiro” na região, não hesitei em procurá-lo. Era a peça chave para expandir o repertório de nossos leitores. Read the rest of this entry »

Advertisements




LudoBardo: Far Cry 2

7 02 2011

Dando continuidade ao LudoBardo, meu vlog de narrativa em jogo eletrônicos, lancei o terceiro episódio.

Agora, contando com os conceitos de narrativa emergente e embutida, eu analiso a narrativa do jogo Far Cry 2. Apliquei esses conceitos da narrativa criticamente e fiz uma comparação com o filme Diamante de Sangue (de 2006), que também se passa em um contexto de guerra civil em um país na África, e demonstra ser uma importante influência para o jogo.

Divirta-se, comente e critique! :)

This is Africa!





LudoBardo: Games e Narrativa

17 01 2011

Meu interesse por narrativa sempre foi evidente e crucial na minha vida.

Desde pequeno, sempre gostei de ouvir histórias. Originado na infância, esse hábito continuou comigo, e hoje – o que antes podia se resumir a “contos de fadas antes da hora de dormir” – se manifesta por meio de livros que leio, filmes a que assisto, jogos com os quais interajo e experiências que vivo. Junto com esse interesse por ouvir e descobrir novas histórias, sempre esteve meu envolvimento com jogos eletrônicos – e graças ao RPG (analógico) Dungeons & Dragons, conheci a figura do bardo. Pouco tempo depois, ainda na infância, veio a necessidade criativa de me expressar por meio de prosa, poesia e roteiros, e contar também as minhas histórias. Enfim, desempenhar o meu papel de Bardo.

Motivado por esses elementos que efetivamente uniram meu amor por narrativa com a minha paixão por jogos (e o “empurrãozinho” de alguns amigos), optei por criar um vlog dedicado à análise de narrativa em jogos eletrônicos. Para mim, os games representam experiências únicas, que despertam uma forte emoção equivalente às emoções vividas em outras mídias. Chegou a hora de mostrar por que não podemos dispensá-las.

Surge o LudoBardo. O lúdico fica por conta da minha persona jogadora e desenvolvedora, enquanto a narrativa fica por conta do Bardo. Todos os dois amparados por pesquisa.

Confira os dois primeiros episódio em que eu explico a distinção entre Narrativa Embutida e Narrativa Emergente, e como isso servirá para analisar jogos eletrônicos.

As partes são divididas, como o título mostra, entre teoria e prática. Acompanhe os próximos episódios no canal http://www.youtube.com/user/VagrantBard.





A Pessoa Mais Poderosa do Mundo

6 01 2011

Foi uma tarde despretenciosa de 2007. Guilherme Xavier havia terminado sua aula sobre “A História dos Video Games” e finalizou com a chave de ouro “The Most Powerful Person in the World“.

Bastante coisa aconteceu em minha vida desde então e durante esses anos inúmeras outras mudaram, mas dentre as constantes está meu amor por esse vídeo. Em 2010, entrei em contato com o criador Thuyen Nguyen expressando minha admiração pela obra e solicitando autorização para disseminá-la em português.

Ele autorizou. O que você vê é fruto desse laço afetivo com a mídia dos jogos eletrônicos.

É uma homenagem ao valor emocional que essa mídia representa. É uma carta de amor dos “gamers” aos “games”.

É um dos principais motivos pelo qual eu sinto tanto orgulho e vejo potencial nos jogos eletrônicos.

É porque eu fico nostálgico ao lembrar de jogos que me marcaram e continuam me marcando.

É o motivo pelo qual nos sentimos a pessoa mais poderosa do mundo.

 

Obrigado a Thuyen Nguyen pela criação original (e autorização) e Guilherme Xavier, Isabel Ferreira e Yan Magno por me ajudarem na adaptação.





Participação no Baixo Frente Soco: “No jogo da conquista”

8 12 2010

Esse post é dedicado ao extremamente divertido podcast do Baixo Frente Soco, especificamente o episódio nº 20.

Recentemente tive a oportunidade de participar de mais uma gravação ao lado de personalidades como Mestre Splinter, Ilapso, Ninja Inimigo e a Ninja Inimiga.

Nesse episódio, o pessoal conversou sobre os “Achievements” (ou conquistas) e debateu até que ponto a ferramenta é útil, qual seu propósito e como poderia ser melhorada.

Fica aqui o meu agradecimento pelo convite e a oportunidade. Como sempre (ou nas últimas duas vezes), foi um excelente prazer!

Escute e acompanhe o Baixo Frente Soco aqui.

Duração: 1h e 8min.





Games e DRM

17 11 2010

O objetivo desse artigo é comentar a presença do DRM  – se você não sabe o que é, não se preocupe, eu explico no texto – no setor dos jogos eletrônicos e como que, mesmo após alguns anos desde a primeira aparição do mecanismo de proteção, sérias sequelas ainda são identificadas na relação entre a indústria e o consumidor. Sendo assim, o artigo visa apresentar o que é DRM, como funciona e quais os impactos dessa polêmica envolvendo o jogador na figura de consumidor.

Restrições tecnológicas, como o TPM e o DRM, têm assolado há alguns anos já o consumidor, seja impedindo alguém de escutar uma música recentemente comprada na Internet em seu tocador portátil ou de assistir a um DVD comprado na Ásia em seu aparelho brasileiro. Não só na música e nos vídeos, mas também em outras mídias, o fenômeno dessas travas tecnológicas cresce cada vez mais.

Não é à toa que o site Kotaku, inclusive, preparou um post explicativo para jogadores entenderem o que exatamente é DRM. Assim como este artigo, o post faz referência ao DRM apenas em sua aplicação no âmbito dos jogos eletrônicos. Read the rest of this entry »





LudoCast e Baixo Frente Soco

1 10 2010

Esse post é dedicado a dois podcasts sobre jogos que tive o prazer de participar e foram ao ar hoje.

Conheçam LudoCast e Baixo Frente Soco!

O primeiro deles é o episódio inaugural de um podcast informal e divertido, criado por amantes da mídia dos jogos eletrônicos, em que discutimos porque os jogos eletrônicos são tão importantes para nós e como eles surgiram em nossas vidas.

Neste Ludocast, os participantes foram eu (Arthur Protasio do Vagrant Bard), Bruna Torres do Girls of War, Bruno Baère do Pizza Frita, Isabel Ferreira do Red(dish) Wings e Rian Rezende do Academia Lúdica.

Escute e acompanhe o LudoCast aqui.

Duração: 27min.


O segundo podcast discutiu, no seu 11o episódio, o conceito de “vilão”. O episódio Poderosos Chefões foi um “excelente prazer” pra mim porque a equipe é muito simpática IRADA e engraçada. Por isso, foi divertido e hilário debater os diferentes tipos de vilões que existem nos jogos. Fica aqui o meu agradecimento pelo convite e a oportunidade.

Escute e acompanhe o Baixo Frente Soco aqui.

Duração: 1h e 15min.








%d bloggers like this: