Narrative Reincarnation at Well Played 3.0: Video Games, Value and Meaning

17 08 2011

The Well Played publication (from ETC-Press at the Carnegie Mellon University) has always been a source of inspiration and admiration to me. In fact, I used it as reference for my law school final essay on Games and Free Speech.

The idea of uniting a diverse range of authors – all the way from developers to journalists and researchers – to promote in-depth readings of games is simply ingenious. It is what effectively illustrates that games are a medium of expression, after all each and everyone of the articles reveal different views about numerous aspects that games touch upon.

In its 3.0 volume, Well Played included my article “Narrative Reincarnation in the Way of the Samurai 3”, which discusses the important role that narrative plays in the game by allowing the player to tread through many different short story paths. It is an honor to be featured, along with other authors, in this publication.

You can read my article here: Narrative Reincarnation in The Way of the Samurai 3

Or check out (and buy) any of the Well Played books here: Well Played 1.0 Well Played 2.0Well Played 3.0

Advertisements




O Globo: O Novo Jogo da Música

15 08 2011

Recentemente fui entrevistado pelo jornalista Leonardo Lichote para uma matéria sobre “Músicas de Jogos”.

A matéria foi publicada hoje, segunda-feira 15/08, no Segundo Caderno do jornal O Globo e está disponível a seguir:

No princípio, eram quatro notas. Mas nenhum jogador do clássico “Space invaders” (1978), primeiro game a ter uma música de fundo contínua, deixava de notar a melodia ganhando rapidez conforme os alienígenas se aproximavam, adicionando tensão à experiência. Hoje, é mais difícil ainda não se dar conta da importância das trilhas sonoras dos jogos eletrônicos, que se afirma em termos financeiros – o mercado de games deve movimentar US$ 74 bilhões em 2011, segundo a empresa de tecnologia e consultoria Gartner Inc. – e artísticos – a canção “Baba yetu”, composta para “Civilization 4”, ganhou um Grammy este ano, o primeiro para uma música de game; e vários autores renomados de trilhas para cinema, como Danny Elfman e Clint Mansell (“Cisne negro”), trabalham também com jogos.

E, num momento de indefinição dos rumos da indústria fonográfica, vale notar que muitos garotos que amam os Beatles neste início de século XXI chegaram às suas canções via “Beatles: Rock band”, e que o Aerosmith ganhou com “Aerosmith: Guitar hero” mais dinheiro que com qualquer um de seus álbuns – que, aliás, tiveram um aumento de vendas de 40% com o lançamento do game. Read the rest of this entry »





LudoBardo: But That Was Yesterday

15 08 2011

Dessa vez, no sexto episódio do LudoBardo, eu falo sobre o jogo But That Was Yesterday.

Você vai descobrir porque esse simples jogo independente em flash é uma excelente experiência para causar a reflexão por parte do jogador. Fica a recomendação para quem achar que os jogos se resumem a “mecânicas de combate“.

Não deixe de divulgar e participar respondendo à pergunta e dando like (seja via facebook, twitter ou youtube).





Entrevista: Ken Levine – Diretor Criativo de Bioshock

14 07 2011

Dessa vez, eu colaborarei com as Girls of War, especificamente a Rebeca Gliosci, em uma entrevista sobre Bioshock (incluindo o Bioshock Infinite) com o diretor criativo do jogo, Ken Levine, da desenvolvedora Irrational Games.

Foi um papo muito interessante que seguiu desde tópicos como a identidade da série Bioshock, a importância de se ter banheiros em um mundo de jogo e a conexão com filmes como Alien e O Iluminado. Eu e a Rebeca também tivemos a oportunidade fazer perguntas relativas à narrativa da série, inclusive abordando a temática objetivista e as questões morais do jogo.

Agradecimentos especiais vão para Rebeca e o Ken Levine pela fantástica conversa. Abaixo você confere o vídeo da entrevista e em seguida uma transcrição/tradução realizada pela Rebeca (vulgo, Bebs). Se você ainda não jogou Bioshock, prepare-se: spoilers o esperam.

Read the rest of this entry »





Participação no Conversas Paralelas: “Narrativas nos Jogos”

11 07 2011

Em abril, fui convidado pelo Leonardo Delarue para participar do podcast Conversas Paralelas.

Aceitei o convite e participei de um podcast muito divertido, mas especialmente reflexivo. Foi uma ótima oportunidade para conversar com o Leonardo e o House (os apresentadores do podcast), ponderar sobre o tema, responder questionamentos e sair de lá com vários outros. Em suma: foi um papo muito legal e intrigante.

Na primeira parte dessa conversa paralela, nós discutimos a narrativa de um ponto de vista mais conceitual e eu expliquei as distinções que adoto como base para o LudoBardo (meu videolog).

Na segunda parte do papo, nós exemplificamos os conceitos da primeira parte com jogos, como GTA, Battlefield, Way of the Samurai, Heavy Rain, Neverwinter Nights, e depois comentamos alguns estudos focados em narrativa.

Escute o Conversa Paralela aqui: Parte 1 + Parte 2

Espere que gostem de ouvir tanto quanto eu gostei de participar!

Obrigado pelo convite, Leonardo!

Foi um excelente prazer!





Interview: Ken Levine – Irrational Games’ Creative Director

6 07 2011

This time, I collaborated with the Girls of War, specifically Rebeca Gliosci, on an interview about Bioshock (as well as Bioshock Infinite) with the game’s creative director, Ken Levine, from Irrational Games.

It was a really interesting chat that went all the way from topics such as the identity of the Bioshock series, to the importance of having bathrooms in the game world. Me and Rebeca also had the chance to ask questions regarding the series’ narrative, including objectivist and moral issues from the first game.

Special thanks go to Rebeca and Ken Levine for the opportunity. If you haven’t played the games yet, be warned: spoilers ahead.

Read the rest of this entry »





Participação no Baixo Frente Soco: “Terceirizando Reviews”

5 07 2011

No episódio 41 do podcast Baixo Frente Soco, o elenco tradicional cedeu a vez para que eu, Sociopata Digital, Daigo e Pluff (do Podcast de Tanguinha) pudéssemos tecer avaliações sobre quatro jogos diferentes.

Escolhi falar sobre Limbo,  o lindo e enigmático jogo de plataforma e quebra-cabeça 2d, que segue a mesma linha de Braid e The Misadventures of P.B. Winterbottom. Entre seus visuais e sua mecânica, eu explico porque considero o jogo tão expressivo e intrigante em termos narrativos.

À equipe BFS, reitero o recado de sempre:  foi um excelente prazer.

Escute e acompanhe o Baixo Frente Soco aqui.

Duração: 117 minutos terceirizados








%d bloggers like this: